Novas informações sobre as aglomerações subnormais

Aglomerações Subnormais em Niterói: Complexo da Lagoinha, Miriambi, Riodades, Morro do abacaxi, Morro do Martins, Morro da Caixa d’água, Morro da paulada, Morro do bumba, Morro do Rato molhado, Morro da palmeira, Morro do serrão, Morro da Nova Brasilia, Morro da vintém, Morro da Beltrão, Morro Souza Soares, Morro do Zulu, Morro do Vital, Morro Viradouro, Morro Boa Vista, Morro do Buraco do Boi, Favela do Jacarezinho, Morro do Estado, Morro do Céu, Morro da Chácara, Morro do Palácio, Morro do Cavalão, Vila Ipiranga, Morro do Preventório, Morro do Otto, Morro da Marajoara, Complexo do Caramujo, Morro da Conchinha, Morro da Atalaia, Morro da Grota do Surucucu, Favela do Sabão, Morro santo cristo, Morro da Juca Branco, Morro da Pimba, Morro da Coreia, Morro do Maritimo, Morro da Bernadino, Morro do Bomfim, Morro do Eucalipto, Morro do Caniçal, Morro do Cantagalo, Morro da Iara, Comunidade 5 de março, Texeira de Freitas, Morro da Esperança, Morro do Coronel Leonço, Morro da Penha, Morro do Mikey e Morro da Lara Vilela.

Fonte: http://oglobo.globo.com/infograficos/operacao-niteroi-marica/

Dados do Questionário da Amostra do Censo 2010 evidenciam desigualdades entre a população que residia em aglomerados subnormais (assentamentos irregulares conhecidos como favelas, invasões, grotas, baixadas, comunidades, vilas, ressacas, mocambos e palafitas, entre outros) e a que morava nas demais regiões dos municípios, diferenças estas que se evidenciavam também entre as cinco grandes regiões do país. Enquanto 14,7% da população residente em outras áreas tinha concluído o ensino superior, nos aglomerados esse percentual era de 1,6%.

A informalidade no trabalho também era maior nos aglomerados (27,8% dos trabalhadores não tinham carteira assinada) em relação às outras áreas da cidade (20,5%). As desigualdades também se manifestavam em relação aos rendimentos: 31,6% dos moradores dos aglomerados subnormais tinham rendimento domiciliar per capita até meio salário mínimo, ao passo que nas demais áreas o percentual era de 13,8%. Por outro lado, apenas 0,9% dos moradores dos aglomerados tinham rendimento domiciliar per capita de mais de cinco salários-mínimos, percentual que era de 11,2% nas demais áreas da cidade. Os Resultados da Amostra do Censo para os aglomerados subnormais incluem ainda informações sobre escolarização, posse de bens no domicílio e tempo de deslocamento para o trabalho.

Em 2010, o Brasil tinha 15.868 setores em aglomerados subnormais (cerca de 5% do total de setores censitários), que somavam uma área de 169,2 mil hectares e comportavam 3,2 milhões de domicílios particulares permanentes ocupados nos 6.329 aglomerados subnormais identificados. Para ampliar o conhecimento da diversidade dos aglomerados subnormais do país, foi realizado no Censo Demográfico 2010, pela primeira vez, o Levantamento de Informações Territoriais (LIT). O conhecimento dos aspectos territoriais dos aglomerados subnormais é importante complemento a caracterização socioeconômica dessas áreas. O LIT mostrou que 52,5% dos domicílios em aglomerados subnormais do país estavam localizados em áreas predominantemente planas (1.692.567 domicílios), 51,8% tinham acessibilidade predominante por ruas (1.670.618 domicílios), 72,6% não possuíam espaçamento entre si (2.342.558) e 64,6% tinham predominantemente um pavimento (2.081.977).

Fonte: IBGE – CENSO 2010